Por que é tão radical a exposição “Mulheres radicais”?