O que faz da pintura de David Hockney tão especial a ponto de o tornar o artista vivo mais caro do mundo?

Retrato de um artista (piscina com duas figuras) é o nome do quadro assinado por David Hockney que, na última semana, se tornou o artista vivo mais caro do mundo, depois de tê-lo vendido por 90 milhões de dólares no leilão da Christie’s . Foram 10 minutos de batalha entre dois compradores anônimos (eles falam com um representante presente na casa de leilão pelo telefone), até que se batesse o martelo. E o que torna a pintura tãão incrível assim para que se invista o dinheiro e leve, segundo a casa de leilão, o título de “obra-prima da era moderna”?

"Portrait of an Artist (Pool with Two Figures)", de David Hockney

QUERIA EU ESTAR NAQUELE CENÁRIO

O título da pintura é bem literal: há uma piscina e duas figuras, uma das quais está dentro d’água e outra fora. Repare: não é nada fácil pintar a água translúcida e uma pessoa ali dentro. Hockney (@david_hockney) precisou testar várias vezes até chegar na alquimia certa para sua tinta acrílica. Além disso, os dois personagens integram uma composição muitíssimo bem pensada, o que torna tão agradável admirar a pintura: para a fazer, Hockney quadriculou a tela em branco e pensou exatamente onde cada elemento deveria estar. Outra coisa é a ambientação: as cores pastéis passam a impressão de uma tarde agradável, pouco quente e num cenário dos sonhos (ele se inspirou nas suas próprias fotografias tiradas em viagem ao sul da França). É a paisagem perfeita.

BELEZA AMERICANA

Se Hockney é um dos ícones da pop art, ele só ganha o título por conta não da referência que faz à indústria, mas às pinturas da história da arte. Ele estudou do barroco ao cubismo e é obcecado por quadros de mestres clássicos. Nas suas obras, consegue trazer a composição desses quadros emblemáticos (a construção formal das chamadas “obras-primas” tem a ver com a fácil e agradável assimilação da imagem por qualquer pessoa) aos tempos atuais. Também apresenta elementos típicos de filmes melodramáticos americanos: casas afastadas da cidade com grandes jardins, famílias aparentemente perfeitas, drinks na piscina, cachorro…O que torna as suas cenas curiosas é que, diferentemente de outros nomes da arte pop, ele prefere cenas íntimas às temáticas mundanas.

Leia mais: Quem dá o valor de uma obra de arte?

POTENCIAL SUGESTIVO

Nós não sabemos exatamente o que se passa na pintura. Hockney oferece ao espectador elementos suficientes para sugerir alguns conteúdos, mas nunca teremos certeza de qual a narrativa que permeia aquela cena. No caso do quadro vendido no leilão, se pode pensar que os personagens tenham um caso…e aí nos perdemos na historinha que construímos. A sensação é de estarmos sempre espiando suas obras – quando, na verdade, estamos olhando com bastante atenção.

GRANDE ALCANCE

Hockney nasceu em Londres e se mudou para a Califórnia na década de 1960. Hoje ele tem 81 anos e vive em Los Angeles (e será ainda mais rico depois da venda da sua “obra-prima”). Em suas telas, ele soube misturar a vida da classe alta californiana com a ironia britânica – mais um ponto para ele. Nos anos 1960 e 1970, se tornou uma figura importante também como homossexual, num contexto onde ser gay era proibido. Os tons pastel dos seus quadros, por exemplo, tem a ver com a vontade de mostrar sua bandeira em favor da liberdade sexual. Além de tudo isso (ou por conta de todos esses motivos), suas pinturas atraem desde crianças até jovens e adultos e suas exposições lotam salas com pessoas de todas as idades, como é o caso da retrospectiva da Tate Britain em 2017. Ele merece sua popularidade!

Mais: Saiu a lista dos 100 mais influentes do mundo das artes: saiba quem você deve ficar de olho